Seleção Brasileira Sub-16 | Reflexões do atleta “Fulano” – Parte 1/2

Algum-lugar-que-não-seja-São-Paulo, 31 de julho de 2021

Olá, meu nome é Fulano, tenho 16 anos e sou natural de Algum-lugar-que-não-seja-São-Paulo. Jogo basquete em um clube da minha cidade desde os 9 anos e me apaixonei pelo esporte desde o primeiro drible.

Meu técnico, o Ciclano, trabalha com base em Algum-lugar-que-não-seja-São-Paulo por quase 20 anos e sempre acreditou no meu potencial (talvez mais que eu mesmo). Treinamos praticamente todos os dias e, como resultado disso, fui campeão Sub-12/13/14 e 15, sendo inclusive o melhor jogador do campeonato nos últimos dois anos.

Mas tudo isso veio com alguns sacrifícios. Enquanto meus amigos iam a festas, dormiam até tarde nos finais de semana, comiam tudo o que queriam e descansavam nas férias, a minha rotina era um pouco diferente.

Eu vou para escola pela manhã e, após as aulas, almoço e já vou direto para o clube. Treino com minha categoria pela tarde, descanso um pouco e já sigo na categoria de cima. No final do período, faço alguns treinos específicos com o técnico Ciclano e volto para casa. Chegando em casa, faço um lanche, boto as tarefas da escola em dia, janto e capoto na cama.

Nos finais de semana, jogo pelas categorias que treinei durante a semana e, após os jogos, faço alguns treinos de forma individual (arremesso, drible…).

Nas férias escolares, aproveito para participar de torneios regionais pelo Brasil. Jogo o sul-americano de Novo Hamburgo, Copa sul-americana, CBC e, quando meus pais conseguem, me inscrevo em clínicas (Brasil ou exterior).

Dada essa rotina, meu relacionamento com os amigos e familiares acabam sendo prejudicados. Eles falam “poxa, você não sai mais com a gente”, “larga esse basquete, não dá futuro”, “mas você ganha alguma coisa já?”. Isso sem falar o quanto meus pais devem ouvir do restante da família, pois vira e mexe, me ausento de aniversários e outras datas comemorativas.

Minha vida é o basquete, eu amo esse esporte, dedico uma parte importante e considerável do meu tempo e energia em seu favor, com o sonho de me tornar um profissional.

Bom, meu nome não estava na lista de convocados da seleção brasileira Sub-16. Eu e Ciclano fizemos tudo que nos cabia (e mais), porém não fomos sequer considerados. O que estou fazendo de errado? Será que todo esse esforço vale a pena? Estou sendo muito inocente em achar que apenas com trabalho duro teria alguma recompensa? Não me sinto preparado o suficiente para ir para São Paulo sozinho, e nem meus pais tem como me manter por lá.

Enfim, segunda-feira tenho treino novamente. Talvez o Ciclano saiba me explicar o que aconteceu e me dar alguma orientação. Quem sabe a comissão técnica da seleção entrou em contato com meu time para nos passar alguns pontos de melhora no meu jogo. Ou será que nem sabem que eu existo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s